Fechar
Você não tem itens no seu carrinho de compras.
Pesquisa
Voltar para a lista de posts

Sistema de compensação de energia

Sistema de compensação de energia

A rede da concessionária como bateria.

A geração fotovoltaica, por ser proveniente da luz do Sol, tem como característica a produção de energia somente no período diurno podendo não coincidir com o perfil de consumo de energia da unidade. Por exemplo, um supermercadista consome energia ao longo de todo o dia, inclusive a noite quando os equipamentos frigoríficos se mantêm ligados ininterruptamente. Desta forma como podemos usar a energia solar a noite?

A resolução normativa 482/2012 traz para o consumidor que gera sua própria energia a possibilidade de injetar o excedente de produção na rede elétrica da concessionária local em troca de créditos de energia que serão abatidos em consumos futuros. Desta forma podemos comparar a concessionária a uma bateria, ou seja, como se pudéssemos acumular energia para uso posterior.

Este conceito é chamado de Sistema de Compensação de Energia, também conhecido pelo termo em inglês "net metering". De modo geral o sistema funciona da seguinte maneira:

 

     
 

DIA ENSOLARADO: No momento em que a geração de energia é maior que o consumo parte da energia gerada é autoconsumida e a parte excedente é injetada na rede de distribuição acumulando créditos para futura compensação.

 
     
     
 

DIA NUBLADO: Nos instantes em que o consumo supera a geração de energia, toda energia gerada é autoconsumida e a complementação é fornecida pela rede de distribuição descontando os créditos acumulados.

 
     
     
 

NOITE: Especificamente durante a noite não há geração de energia e todo o fornecimento será pela rede de distribuição, entretanto descontando os créditos acumulados durante o dia.

 
     

 

Fique sabendo! Há ainda a possibilidade de o consumidor utilizar esses créditos em outras unidades previamente cadastradas dentro da mesma área de concessão. (Leia o artigo tratando deste assunto).

 

Efeito sobre a fatura de energia

Em unidades consumidoras que geram a própria energia é instalado um medidor bidirecional (conheça os principais equipamentos do seu gerador) contendo dois registradores, uma para energia consumida e outra para injetada. Ao final do período de medição a concessionaria contabiliza a diferença entre a energia consumida e injetada considerando-se também eventuais créditos de meses anteriores para compor o faturamento.

Consumidores do grupo B (alimentados em baixa tensão) devem considerar o custo de disponibilidade de 100kWh para ligações trifásicas (3Ø), 50kWh para bifásicas (2Ø) e 30kWh para monofásicas (1Ø), sendo estes valores o mínimo a ser pago na fatura. Neste caso somente serão utilizados os créditos quando a diferença dos registros for maior que o custo de disponibilidade.

Vamos supor que o relógio de uma residência registre 90 kWh de energia consumida e 30 kWh de energia injetada, e ainda, a unidade conusmidora possua 20 kWh de crédito acumulados em meses anteriores. Portanto:

Saldo: [Consumida] - [Injetada] = 90 - 30 = 60 kWh

 

Sistema

 

Disponibilidade

100

50

30

 

Crédito resgatado

0

10

20

 

Fatura

100

50

40

* Valores em kWh

Observa-se que na ligação trifásica, o saldo é menor que o custo de disponibilidade e portanto a fatura será fixada em 100kWh não havendo a possibilidade de resgate dos créditos. Já nas ligações bifásicas e monofásicas, o saldo é maior que o custo de disponibilidade oferecendo margem que possibilite o resgate de créditos.

Para os consumidores do Grupo A (alimentados em alta tensão), não há valor mínimo a ser pago. Contudo, além de continuarem sendo normalmente faturados pela demanda, deve-se considerar a diferença por posto tarifário. Ou seja, energia produzida fora de ponta para compensar energia de ponta deve ser proporcional a razão entre as componentes TE dos postos tarifários.

Imaginem um consumidor do grupo A, cujas tarifas estão representadas abaixo:

Tarifa de energia (TEp) ponta: R$1,50

Tarifa de energia (TEfp) fora de ponta: R$0,50

Fator conversão = TEp/TEfp = 3

Iniciamos sem créditos acumulados de meses anteriores.

   

Posto tarifário

ponta

f. ponta

+

 

Energia injetada

0

6000

-

 

Energia consumida

200

4000

=

 

Saldo por posto

-200

2000

x

 

Conversão

x 3

x 1

=

 

Saldo convertido

-600

2000

+

 

Soma dos saldos

1400

   

+

 

Resgate de crédito

0

-

 

Aplicação de crédito

1400

   

=

 

Fatura

0

   

Crédito acumulado

1400

valores em kWh.

Após um saldo positivo no balaço apresentado, registramos um faturamento zerado e crédito acumulado de 1400kWh.

Mantendo o raciocínio, avaliamos o mês seguinte. Neste caso supomos que a geração fotovoltaica será insuficiente.

   

Posto tarifário

ponta

f. ponta

+

 

Energia injetada

0

3500

-

 

Energia consumida

200

4000

=

 

Saldo por posto

-200

-500

x

 

Conversão

x 3

x 1

=

 

Saldo convertido

-600

-500

+

 

Soma dos saldos

-1100

   

+

 

Resgate de crédito

1100

-

 

Aplicação de crédito

0

   

=

 

Fatura

0

   

Crédito acumulado

300

valores em kWh.

Mesmo em um período desfavorável quando a energia produzida é insuficiente para compensar o mês, o sistema de compensação permite que, através do resgate dos créditos acumulados no mês anterior, obtenhamos novamente redução na conta de energia.

E quando o crédito acaba? Não se preocupe! Não haverá interrupção no fornecimento de energia. Neste caso será cobrado o valor conforme contrato de fornecimento, inclusive com incidêndia dos impostos relacionados.​​​​

O sistema de compensação possui um grau de complexidade e uma avaliação criteriosa do perfil consumidor do investidor é de extrema importância. O sistema gerador ideal considera todo o balanço energético da unidade consumidora em um período cíclico de um ano, absorvendo todas as variações e sazonalidades enfrentadas.

* O sistema de compensação está previsto apenas para consumidores do mercado cativo. Os consumidores optantes pelo mercado livre deverão consultar seu comercializador para definir as condições comerciais para a energia excedente injetada na rede de distribuição.

 

 

Gostou? Faça seu comentário abaixo!

Caso ainda tenha alguma dúvida sobre o Sistema de Compensação de Energia ou sugestão de temas para o nosso BLOG, entre em contato.

Comentários
Escreva um comentário Close Comment Form